Sustentabilidade ambiental é definida como a interação responsável e consciente do ser humano com o meio ambiente, que devem ser mantidos em harmonia e equilíbrio, com o objetivo de preservar os recursos naturais do nosso planeta e, desta forma, garantir a qualidade do ecossistema em longo prazo.

A sustentabilidade ambiental é um ideal pelo qual lutar, através de planos, decisões e ações capazes de impedir a degradação do meio ambiente causada por nossas próprias atividades.

A natureza tem uma habilidade bastante notável para rejuvenescer e manter a sua viabilidade. No entanto, o uso desenfreado dos recursos fornecidos por ela e a falta de conscientização por parte das pessoas é capaz de comprometer essa capacidade.

As preocupações ambientais mais comuns são:

  • Florestas e bosques prejudicados por atividades agrícolas;
  • Poluição e excesso de pesca de oceanos, rios e lagos;
  • Poluição da atmosfera através da queima de combustíveis fósseis;
  • Contaminação do solo causado pela destinação irregular do lixo.

A prática da sustentabilidade ambiental ajuda a garantir que as necessidades da população de hoje sejam satisfeitas, sem comprometer a capacidade que a natureza tem de suprir a necessidade das futuras gerações.

Sustentabilidade ambiental nas empresas

A gestão sustentável nas empresas está cada vez mais presente nos planos de negócios das corporações, que estão cada vez mais preocupadas em demonstrar uma administração correta em relação às suas atividades, buscando maneiras de criar um impacto positivo em cada um de seus processos.

Esse comportamento está relacionado à mudança de pensamento dos consumidores em relação ao comprometimento das empresas com o meio ambiente. Além disso, a legislação está mais exigente quanto ao desenvolvimento de políticas e medidas, em relação às questões ambientais.

Além de contribuir com a preservação do planeta, iniciativas empresariais sustentáveis pode ser uma ótima estratégia de negócio:

Economia de custos:

  • Consomem menos água e energia elétrica, pelo uso racional;
  • Utilizam menos matéria-prima, pela racionalização do seu uso;
  • Geram menos sobras e resíduos, pela adequação do uso de insumos;
  • Reutilizam, reciclam ou vendem resíduos, quando possível;
  • Gastam menos com controle de poluição.

Além de terem o potencial de eliminar o desperdício, muitos consumidores estão mais conscientes quanto à positividade dos produtos e serviços ecologicamente corretos. Empresas que levam esse conceito para seus processos se se beneficiam com a exposição favorável no mercado e garante maior fidelidade do cliente.

Políticas ambientais

A gestão ambiental surgiu da necessidade das empresas a organizarem suas atividades em harmonia com o meio ambiente. As políticas ambientais surgiram para assegurar que todas as atividades empresariais seguirão as normas necessárias para diminuir os impactos ambientais causados ao meio ambiente durante seus processos.

Um exemplo e a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei nº 12.305/2010, que estabelece regras para a destinação e disposição correta de todos os tipos de resíduos gerados em diversos setores da economia. Ela tem como instrumento principal, a responsabilidade compartilhada, onde cada gerador de resíduo, incluindo empresas, governo e consumidores, os maneje de forma sustentável.

Os conceitos principais trazidos pela política abordam ações como o gerenciamento de resíduos sólidos que, através da Logística reversa, fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, realizem o gerenciamento dos resíduos gerados por suas atividades, através da coleta e restituição, para que sejam reaproveitados, reciclados ou destinados adequadamente.