Qual o destino adequado para cada tipo de lâmpada? | Ecoassist

Depois do fim da vida útil de suas lâmpadas, você sabe qual o destino mais adequado?


As lâmpadas mais utilizadas até o ano de 2015, eram as incandescentes, mas pela baixa eficiência energética, foram banidas do mercado, podendo gerar muita de até R$ 100 a R$ 1,5 milhões para quem as comercializassem, segundo o Inmetro, essa proibição de lugar às lâmpadas fluorescentes.

Durante muitos anos, as lâmpadas fluorescentes foram apontadas como a melhor escolha para substituir as comuns, porém, existia, e ainda existe, um grande problema: o mercúrio que, definitivamente, não é nada bom para o meio ambiente e para a saúde humana.

Nos esforços para proporcionar um ambiente mais seguro, muitos voltaram-se para as lâmpadas LED. Estas lâmpadas têm uma vida média seis vezes maior do que as lâmpadas fluorescentes e consomem cerca de 80% menos energia e, portanto, reduzem, e muito, os custos elétricos. Além de mais econômicas e duráveis, elas são mais seguras, isso porque não possuem mercúrio em seu interior.

No entanto, o cuidado com o descarte deve ser o mesmo de qualquer outra lâmpada. Quando chega a hora de se desfazer das lâmpadas por qualquer razão, é imprescindível não joga-las no lixo reciclável, nem mesmo orgânico. Procure embalá-las bem em papel ou caixa de papelão, evitando o uso de sacos plásticos, pois elas podem quebrar, expondo as pessoas a possíveis cortes e contaminação por mercúrio, no caso das fluorescentes.

Como é feita a reciclagem de lâmpadas fluorescentes

O processo de Trituração com tratamento térmico é o mais usual em várias partes do mundo, ele é feito através do esmagamento da lâmpada e destilação do mercúrio. Processadores especiais esmagam-na por inteiro, e só assim os materiais são separados: terminais de alumínio, pinos de latão, componentes de ferro e metal, vidro, poeira fosfórica – onde está presente o mercúrio – e isolamento baquelítico.

A poeira fosfórica é destilada para a recuperação do mercúrio e os demais resíduos são descontaminados e encaminhados à reciclagem para que voltem ao processo produtivo. O único componente que não é reciclado é o isolamento baquelítico, presente nas extremidades da lâmpada.

Como é feita a reciclagem de lâmpadas LED

Lâmpadas LED são fabricadas com uma variedade de materiais, incluindo vidro ou plástico para habitação, cerâmica ou alumínio para o dissipador de calor, o cobre para as resistências e cabos e elementos mais caros, como índio e gálio que ficam dentro do diodo semicondutor, além de terras raras, tais como o európio e térbio presentes no fósforo.

O objetivo principal da reciclagem das lâmpadas LED é a recuperação dos materiais valiosos e separação de todos de todos os componentes de forma eficiente, mas a maior dificuldade está em separar os elementos de iluminação sem destruir os LEDs. Atualmente, as lâmpadas LED que não estão mais em uso estão sendo armazenadas ao invés de recicladas, isso porque, mesmo que 98% de todo o material presente seja reciclável, ainda não existe nenhum processo de reciclagem adequado.

Para isso é necessário uma abordagem totalmente diferente dos métodos de reciclagem utilizados nas lâmpadas fluorescentes. Até agora, o único método encontrado para a reciclagem dos LEDs está sendo testado na Alemanha, por pesquisadores do Fraunhofer Project Group..

Usando o processo de “eletrocominuição”, os pesquisadores conseguiram quebrar as lâmpadas em suas partes constituintes sem destruir os próprios LEDs. As ondas de choque criadas por impulsos eléctricos em um líquido separaram os componentes individuais nos seus pontos de ruptura pré-determinados. Desta froma, os componentes podem então ser reciclados individualmente.

O processo de eletrocominuição, como assim é chamado, está sendo investigado em detalhes e melhorado aos paucos, ainda não se sabe quando essa tecnologia estará disponível para o uso.

 

Como é feita a reciclagem de lâmpadas incandescentes

Infelizmente, não existem programas de reciclagem para as lâmpadas incandescentes, pois elas possuem metal misturado ao vidro, o que inviabiliza o processo. Além disso, por não possuírem substancias que ofereçam riscos ao meio ambiente, elas não estão inclusas nos programas de reciclagem.

Se a sua única opção for descartar no lixo comum, certifique-se de que a embalagem não vai rasgar, o que pode ferir os trabalhadores responsáveis pela coleta.

Ainda assim, existe uma opção mais sustentável, elas podem ser reutilizadas em muitos projetos artesanais, você pode conferir algumas dicas aqui.

Não sabe como e onde descartar suas lâmpadas queimadas ou quebradas? Entre em contato conosco pelo 0800  326 100 ou nos envie suas dúvidas através do contato@ecoassist.com.br