O que são e porque oferecem tantos riscos para a saúde?

 

metais-pesados

 

O termo metal pesado refere-se a qualquer elemento químico metálico que tem uma densidade relativamente elevada. Os metais pesados ​​são componentes naturais da crosta da Terra que não podem ser degradados ou destruídos. Geralmente, eles entram em contato com nosso organismo através de alimentos, água potável e ar.

Alguns metais pesados são oligoelementos (por exemplo, cobreselénio, zinco), ou seja, ​​são essenciais para manter o metabolismo do corpo humano. No entanto, concentrações elevadas podem levar a intoxicação. Envenenamento por metal são, geralmente, provenientes de água potável contaminada, concentrações presentes no ar (por exemplo, próximo à fontes emissoras) ou de ingestão através da cadeia alimentar.

Os metais pesados ​​são perigosos porque eles tendem a bioacumulação – processo que acontece quando um elemento químico se acumula em elevadas concentrações no organismo dos seres vivos, uma vez que os seres vivos não conseguem metabolizar essas substâncias químicas, dá-se início a um ciclo de contaminação em toda a cadeia alimentar. Consequentemente, ambos contaminam a água. A tendência é que a concentração fique cada vez maior à medida que cresce o nível trófico, ou seja, maior será a quantidade de químicos acumulados no ser vivo uma vez que este, além dos compostos que o seu organismo já absorveu, vai ainda concentrar os que provêm da alimentação contaminada.

 

Principais vias de exposição

 

Dentre as principais vias de exposição estão: disposição de água utilizada em processos industrias sem tratamento em córregos e rios, atingindo lagos e rios; disposição inadequada de resíduos químicos proveniente de processos industriais e aterros de lixo sem tratamento, ambos cheios de toxinas que se infiltram no solo, atingindo as águas subterrâneas; atividades agrícolas, que utilizam produtos altamente tóxicos para fertilização, como consequência, contaminam o solo.

 

 

Os principais metais pesados são:

 

MERCÚRIO

Fonte: baterias, lâmpadas e termômetros; amálgama utilizado na odontologia; antisséptico na indústria farmacêutica; emissões de combustíveis fósseis como carvão mineral e biocidas na indústria de papel, tintas e sementes.

Danos: O mercúrio tem efeitos adversos importantes sobre a saúde humana e o meio ambiente. Exposição a níveis elevados de mercúrio pode afetar o cérebro, o coração, os rins e pulmões e o sistema imune dos seres humanos.

 

CÁDMIO

Fonte: baterias e demais eletrônicos e também pode estar presente em impurezas em vários produtos como fertilizantes fosfatados, detergentes e produtos petrolíferos refinados.

Danos: nos seres humanos, a exposição a longo prazo está associada com disfunção renal. Alta exposição pode levar a doença pulmonar obstrutiva e tem sido associada ao câncer de pulmão, podendo também produzir defeitos ósseos (osteomalacia, osteoporose) em humanos e animais.

 

CHUMBO

Fonte: baterias e demais eletrônicos, aditivos de gasolina, produtos laminados e extrudados, ligas, pigmentos e compostos, revestimento de cabos, tiro e munição.

Danos: altos níveis de exposição podem resultar em efeitos como danos ao sangue, rins, trato gastrointestinal, sistema reprodutivo e lesão aguda ou crônica do sistema nervoso.

 

CROMO

Fonte: O crómio é usado em ligas metálicas, pigmentos para tintas, cimento, papel, borracha, fotografias, plástico entre outros.

Danos: quando inalados ou ingeridos provocam rinite e sinusite crônica, atrofia da mucosa nasal, alterações na pele. Se ingeridos causam vômito, diarreia, choque cardiovascular e perda de sangue no trato gastrointestinal. Em estado de oxigenação o cromo é reconhecido como cancerígeno, tendo ação irritante e corrosiva no corpo humano.

 

MANGANÊS

Fonte: aço, ligas de alumínio, fabricação de baterias, tintas, vernizes, corantes, vidro e cerâmica.

Danos: o excesso de manganês decorrentes de exposições prolongadas, provocam sintomas como rigidez muscular, tremores das mãos e fraqueza, problemas de memória, alucinações, doença de Parkinson, embolia pulmonar e bronquite.

 

ARSÊNIO

Fonte: seu principal uso é como conservante de couro e madeira, serve também de aditivo em ligas metálicas, inseticidas e venenos.

Danos: lesões na pele, câncer de pele, bexiga e pulmão e doenças vasculares.