Cerca de 20 m² do filme são suficientes para manter a temperatura de uma casa comum em 20°C num dia em que os termômetros marcam 37°C.

 

Invenção promete aposentar um dos principais vilões do consumo de energia elétrica, o ar condicionado.

Pesquisadores da Universidade de Colorado, nos Estados Unidos, encontraram uma alternativa sustentável capaz de refrigerar casas e edifícios sem utilizar nenhum tipo de energia elétrica e nem um pingo água.

A invenção foi criada por Ronggui Yang e Xiaobo Yin e se trata de uma película de polimetilpenteno, um plástico transparente, com a adição de pequenas pedras de vidro, e um revestimento de prata em um dos lados.

A película possui uma espessura idêntica à de um papel alumínio e deve ser colocada sobre o telhado, com o lado prata para baixo. Quando a luz do sol atinge sua superfície, ela é refletida pela face prateada através do plástico, impedindo o aquecimento da casa.

As pedras de vidro servem para liberar o calor para a atmosfera, graças a uma complexa relação entre o diâmetro das pedrinhas de vidro e o comprimento das ondas que escapam para o espaço.

Segundo a revista “The Economist”, o poder de refrigeração da película é de 93 watts por metro quadrado, em caso de incidência direta de luz solar. À noite, o efeito é mais potente. De acordo com os pesquisadores, cerca de 20 metros quadrados do filme são suficientes para manter a temperatura de uma casa comum em 20°C num dia em que os termômetros marcam 37°C.