Apesar das chuvas recentes que ocorreram em São Paulo durante os últimos dias, o volume do sistema Cantareira continua caindo, atingindo na data de hoje (12/11), apenas 11%. Diante da escassez de água enfrentada, não só no Brasil, mas em todo mundo, foi desenvolvido diversas tecnologias para tentar amenizar o problema.

 

Confira 13 tecnologias desenvolvidas para tornar a água potável, em tempos de seca:

 

1 – LifeStraw

Uma fina membrana capaz de remover quase 100% de bactérias e protozoários presentes na água é o segredo do LifeStraw, dispositivo vendido pela empresa suíça Vestergaard. Disponível nas versões canudinho, garrafinha e balde, o LifeStraw está à venda por preços que variam entre cerca de 50 e 190 reais. Nos três modelos, a água é filtrada por essa membrana que retém as impurezas e torna-se potável.

 

lifestraw

 

2 – LifeSaver

Lifesaver leva a tecnologia do Lifestraw um passo adiante. Além de filtrar bactérias e protozoários, esse dispositivo também retém vírus. Para isso, ele conta com uma rede com furos de 15 nanômetros (ou 0,000015 centímetros).

O Lifesaver está disponível em versões de garrafinha e de galões de 5 e 18,5 litros. Para se ter uma ideia da eficiência do produto, os criadores afirmam que é possível filtrar urina por até quatro vezes seguidas no dispositivo. Isso justifica os preços, que variam entre 470 e 800 reais.

 

LifeSaver

 

3 – Waterair

Waterair é outro dispositivo capaz de captar a umidade presente no ar e transformá-la em água potável. Para funcionar, a máquina brasileira precisa de uma fonte de energia e níveis de umidade do ar superiores a 10%. Quando ligada, ela absorve a umidade, condensa-a e filtra a água resultante – que então passa por um processo para se tornar potável. Versões capazes de produzir 30 litros e 5 mil litros de água por dia custam, respectivamente, 6 mil e 350 mil reais.

 

agua-ar-interna-waterair

 

4 – Jarra radiológica

A empresa Seychelle comercializa na internet uma jarra que é capaz de remover da água, metais pesados (como chumbo e mercúrio) e 99% de contaminantes radiológicos – como urânio e césio. O produto foi desenvolvido para locais em que houve acidentes com radiação e está à venda por cerca de 250 reais.

 

jarra-radiológica

 

5 – Mitto

Mitto é um sistema de captação e filtragem de água de chuvas, rios e outras fontes, criado por estudantes canadenses. Por meio de uma tela externa de plástico, ele capta a água, que é encaminhada para um filtro interno. O Mitto tem capacidade de armazenar até meio litro de água.

 

mitto

 

6 – PlayPump

Em algumas partes do mundo, conseguir água virou brincadeira de criança. Tudo por conta do PlayPump.

Esse dispositivo é baseado num gira-gira, aquele brinquedo no qual um grupo de crianças fica sentado rodando. No PlayPump, o movimento gerado por quem usa o brinquedo é usado para puxar água do subsolo.

Do lado de fora, um tanque de polietileno armazena e filtra a água. Segundo os criadores, um PlayPump é capaz de captar cerca de 1.400 litros de água por hora.

 

14027

 

7 – Banana

Pesquisadores brasileiros descobriram que a casca de banana consegue filtrar pesticidas que possam estar presentes na água.

Para isso, eles secaram cascas da fruta num forno de 60°C, por um dia. Depois, trituraram e peneiraram o material. Com o pó em mãos, misturaram-no à água e agitaram por 40 minutos.

Ao fim do processo, 90% dos pesticidas contidos na água foram absorvidos pela casca de banana.

 

banana-filtra-água

 

8 – Plasma

O cientista Alfredo Zolezzi criou um aparelho que purifica água transformando-a em plasma. O plasma é o estado da matéria no qual os átomos perdem sua cobertura de elétrons e ficam todos desordenados – como acontece no Sol, por exemplo.

A invenção consiste num tubo de 30 centímetros, alimentado com eletricidade. Nele, a água é acelerada e recebe uma descarga elétrica. Isso a transforma em plasma, destruindo vírus e bactérias. O produto final é uma água mais pura do que a que chega às nossas casas hoje.

 

Plasma

 

9 – Turbinas AW

O holandês Piet Oosterling é o criador das turbinas AW. Além de produzir energia, essas turbinas são capazes de extrair água do ar.

A invenção funciona assim: quando o ar passa pela turbina, ele é resfriado, de maneira que a água contida nele se condense e possa ser armazenada.

Em condições ideais, os criadores estimam que uma turbina AW consiga produzir 7.500 litros de água por dia.

 

size_810_16_9_eolica

 

10 – WarkaWater Tower

As WarkaWater Towers são estruturas feitas de junco e bambu. Por meio de uma tela interna de plástico, essas estruturas conseguem filtrar a umidade da atmosfera e condensá-la, fornecendo quase 100 litros de água por dia.

Elas foram criadas pelo arquiteto italiano Arturo Vittori e tem design inspirado numa árvore da Etiópia.

 

warka-water-tower

 

11 – Bolhas

O engenheiro José Gilberto Dalfré Filho criou um método de desinfecção de água baseado em bolhas.

Nessa técnica, um jato de alta pressão é disparado num reservatório de água. Isso forma bolhas, que crescem até estourar. Quando estouram, elas liberam uma tensão tão alta que rompe as células de organismos que possam estar na água.

 

bollesapone

 

12 – Celular

Nos bairros pobres de Angola, a torneira mais próxima pode ser achada com uma mensagem de celular. O serviço é fruto de uma parceria entre a agência de socorro Development Workshop e a associação de operadoras Mobile Enabled Community Services.

Quando precisa de água, o angolano envia uma mensagem de texto para o serviço, que indica a torneira em funcionamento mais próxima.

celular-para-buscar-água-angola

 

 

13 – H2PrO

H2prO é um dispositivo criado pela australiana Cynthia Sin Nga Lam, de 17 anos. A máquina é capaz de gerar energia e purificar água ao mesmo tempo.

Para isso, o H2prO conta com redes de titânio nas quais circula água. Quando exposto ao sol, o titânio reage com a água e separa suas moléculas de hidrogênio e oxigênio.

Depois que o hidrogênio é usado para produzir energia, o H2prO o recombina com o oxigênio, produzindo água limpa.

 

h2pro

 

 

 

Fonte: Exame